Fomento Paraná bate novo recorde em contratações de microcrédito em agosto

A Fomento Paraná, instituição financeira pertencente ao Governo do Estado, bateu um recorde em operações de microcrédito em agosto. Foram 1.016 contratos, totalizando R$ 11,5 milhões liberados para empreendimentos localizados em 195 municípios paranaenses em um único mês. Do total de recursos, R$ 6,2 milhões foram liberados pelo Banco da Mulher Paranaense, lançado pelo governador Carlos Massa Ratinho Junior. Essa linha de crédito atende microempresas, microempreendedores individuais (MEIs) e também empreendedores informais.

No ano, o microcrédito já soma R$ 45 milhões em contratações. É outra marca inédita, que supera em 25% a média de contratações registrada nos últimos seis anos para o período de janeiro a agosto, que é de R$ 33,7 milhões.

O diretor-presidente da instituição, Heraldo Neves, destaca a importância do microcrédito para o crescimento da carteira ativa de crédito da instituição. A carteira agora soma R$ 393,4 milhões, dos quais R$ 121,6 milhões representam apenas operações de microcrédito.

Esse volume não considera outros R$ 155 milhões liberados em operações da linha Paraná Recupera, criada com recursos do Fundo de Desenvolvimento Econômico, a partir da decretação da pandemia de Covid-19 no País, e que atinge em grande parte o mesmo público.

“É um volume expressivo de recursos que o Governo do Paraná vem colocando na economia estadual, por intermédio da Fomento Paraná, e que deve fazer a diferença na vida do empreendedor, especialmente para apoiar os pequenos negócios, neste momento em que todos se movimentam para aproveitar oportunidades na retomada da atividade econômica no pós-pandemia”, afirma Heraldo Neves.

REFLEXOS – Na avaliação do diretor de Operações do Setor Privado da Fomento Paraná, Renato Maçaneiro, o bom desempenho é reflexo da alteração das condições ofertadas e de inovações implantadas nos últimos meses em processamento e análise de crédito, para melhor atender as demandas do pequeno empresário, que precisa ter acesso a novos recursos para se recuperar dos impactos da pandemia.

“Foi importante a redução da taxa de juros. Com esse realinhamento, criamos uma melhor condição no microcrédito”, afirma Maçaneiro.

Segundo ele, a combinação de juros baixos, com prazos estendidos de parcelamento, agilidade nas respostas de crédito e o empenho da rede de agentes de crédito, tiveram um impacto quase que instantâneo nas operações com microcrédito. “Implementamos essas medidas entre abril e maio e já em junho conseguimos sentir uma alta nas contratações”, relata.

De junho a julho, cresceu 25% o número de novas adesões à modalidade, ritmo que vem se mantendo em escala crescente.

ATUAÇÃO EM PARCERIA – O coordenador da Rede de Parceiros, Artur Coelho, afirma que o objetivo da instituição é seguir com os bons resultados alcançados nos últimos meses. “É um grande desafio, mas há potencial”, afirma.

Um passo fundamental para esse objetivo é a ampliação e consolidação de parcerias, como a que permitiu a implantação do Fundo de Aval às Micro e Pequenas Empresas (Fampe), em conjunto com o Sebrae. O fundo é uma alternativa de garantia para tomada de crédito e já contribui significativamente com o aumento das contratações no microcrédito.

Paralelamente, a Fomento Paraná tem se aproximado cada vez mais das prefeituras paranaenses, com visitas técnicas de diretores para apresentar a instituição, as linhas de crédito e outras oportunidades que incluem os arranjos locais de negócios como as associações comerciais e empresariais. “Estamos desenvolvendo uma robusta rede de agentes de crédito e correspondentes que já operam em postos de atendimento situados em quase 280 municípios”, conta o coordenador.

Foto: Gilson Abreu/AEN

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *