Soltura irregular faz aumentar a população de aves aquáticas no lago do Ecopark Oeste

Veterinário do Zoo e coordenador do Território Verde alertam para os perigos que esta prática pode oferecer aos animais
No Ecopark Oeste, no bairro  Santa cruz,  além do play ground, das pitas de caminhada e ciclovia, das obras de arte expostas a céu aberto, o que chama a atenção também da população são as aves aquáticas e as carpas coloridas que se deixam ver, ao subir para a superfície.

Mas nos últimos dias, outro fato tem chamado a atenção da equipe técnica responsável pelo bem estar dos animais: O aumento significativo no número de aves que passaram a habitar no lago do Ecopark. Inicialmente foram soltas no local, pelo Município, 12 aves entre gansos comuns e sinaleiros, patos ,marrecos , além de cisnes negros. Mas atualmente foi contabilizada a existência de 27 animais no local.

Isso não significa que o Município adquiriu ou recebeu em doação novas aves, mas que a população tem soltado estes animais  de forma aleatória  no parque, prática condenada pelo médico veterinário do Zoológico de Cascavel, Rodrigo Neca Ribeiro. “Antes de colocarmos as aves aqui fizemos um levantamento e avaliação da área para avaliar a capacidade de animais que o lago comportaria e a disponibilidade de recursos naturais para alimentação destes animais. Então quando a população começa soltar muitos animais aqui, gera uma superpopulação, estresse e competição entre as espécies para a questão de alimentação e espaço”. Ele completou falando que “as aves que  foram levadas ao lago pelo município  passaram por um período de quarentena no zoo, avaliação e check-up antes de serem soltas no parque. Essas aves que estão sendo soltas  aqui, não conhecemos a origem, se possuem enfermidade ou não e isso pode colocar em risco os animais que já estão aqui. Por isso a gente pede para a população se conscientizar e não soltar os animais. Caso tenha animal exótico em casa e  deseja   de desfazer dele, o caminho certo é entrar em contato com o IAT (Instituto Água e Terra) que  destinará o animal para algum espaço adequado e seguro”.

Alimentação

As aves aquáticas existentes no lago do Ecopark Oeste são alimentadas todos os dias por uma equipe de servidores do zoológico, com ração balanceada e milho.  Além disso,  há os recursos naturais existentes no local. “A população pode ficar tranquila porque os animais são alimentados com rações especiais para as aves. Eles têm qualidade de  vida e espaço, com uma dieta balanceada garantida pelo Município. Além disso para as aves foram disponibilizados abrigos para se protegerem do sol ou chuva. Embora passem a maior parte do tempo na água, que é uma característica destes animais, nós disponibilizamos o abrigo para todas elas”.

Respeito

O veterinário do Zoo alerta  para os cuidados recomendados para que as espécies sejam preservadas. “Este é um espaço muito bonito, de lazer para a população e todos precisamos cuidar. E se persistir esta soltura  irregular de animais aqui no lago, precisaremos tomar medidas  drásticas como, por exemplo, retirar alguns animais daqui e destiná-los para outros espaços, porque realmente vai exceder a população. É preciso ter consciência e respeito”, destacou o veterinário.

José Luis Ferreira, coordenador do Território Verde, explica que ao serem identificadas as pessoas que estão fazendo a soltura destes patos, marrecos e gansos no Lago, providências precisam ser tomadas. “Providências cabíveis  como o enquadramento no crime ambiental de abandono  de animais e exposição  das demais aves à possibilidade de ficarem doentes ou serem mal tratadas. Nós estamos tratando as aves soltas de forma irregular e cuidando delas,  com atendimento médico veterinário no Zoo.  Quero , reforçar o pedido à população: Não soltem aves aquáticas aqui no lago do Ecopark Oeste e não alimentem os animais. Eles estão sendo bem cuidados pelo Município. E, este é um patrimônio de todos nós e todos devemos cuidar deste espaço”.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.